quarta-feira, 5 de julho de 2017

E porque não um pouco de bom senso

Dash Q 200 - Foto by Aníbal C. Pires
Hoje foi notícia uma aterragem de emergência no Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada. A aeronave, um Dash Q 200 da SATA Air Açores, reportou um problema técnico e foram acionados no aeroporto de destino os procedimentos previstos para situações de emergência.
Não sei que tipo de problema/avaria se verificou, não disponho de informação privilegiada e não estou mandatado pelo Grupo SATA para dizer o que quer que seja.

Mas, santa paciência com tanta especulação e mais ainda com os títulos da notícia veiculada por uma agência noticiosa que não é propriamente o Correio da Manhã, nem o Correio da Manhã TV e da qual se espera mais, muito mais, na forma como se divulgam as notícias. A esta notícia foi dado um título que nada, ou pouco tem a ver com o seu conteúdo. Por isso não posso, nem devo, ficar calado.

Mas voltando ao cerne da questão. Os procedimentos de emergência foram, naturalmente acionados, a aeronave aterrou sem problemas, não houve necessidade de evacuar os passageiros, enfim a notícia foi essa. Mas o título foi, Aeronave da SATA aterrou de emergência em Ponta Delgada, sem vítimas.  Como se da emergência declarada fosse esperada uma tragédia. 

Da leitura do título e com alguma boa vontade ficamos, desde logo, satisfeitos porque não houve vítimas, mas que diabo aterragens de emergência acontecem diariamente por esse Mundo fora, e acontecem porque voar é seguro e os procedimentos, desde que cumpridos, garantem essa segurança, nem que para, não foi o caso, o avião após a descolagem tenha de voltar ao ponto de partida, aliás esta situação não causou nenhuma alteração pois a aeronave vinha da Terceira para Ponta Delgada e assim continuou, não voltou para lado nenhum seguiu até ao destino programado.

Aspeto da cauda de Dash Q 400 - Foto by Aníbal C. Pires





Quanto aos comentários das redes sociais nem vale a pena dizer o que quer que seja, tal é o chorrilho de asneiras que por ali é regurgitado. Há no entanto uma onda, provocada ou não, que continua a fazer escola e que visa a desvalorização do Grupo SATA e dos seus trabalhadores, Isso não é admissível.








Aníbal C. Pires, Ponta Delgada, 04 de Julho de 2017

2 comentários:

Tânia Branco disse...

Sábias Palavras. Obrigada.

Unknown disse...

Muito bem dito, isso é gente que gosta de lancar mexericos, pois ganham a vida a faze_lo