quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Vamberto Freitas - Border Crossing, Leituras Transatânticas 4

Vamberto Freitas (imagem retirada da internet







Amanhã na Livraria Leya SolMar, com Vamberto Freitas










Urbano Bettencourt, Carlos Bessa, o Consûl dos Estados Unidos nos Açores e, certamente, muitos dos amigos e admiradores de Vamberto Freitas vão juntar-se, amanhã dia 17 de Novembro, pelas 19h, na Livraria Leya SolMar para partilhar de um momento que, se me permitem, é mais, ou assim deveria ser, do que a apresentação do volume 4 do Border Crossings, Leituras Transalânticas.

Vamberto Freitas não é apenas um ensaísta e crítico literário, Vamberto Freitas é, se me permitem, uma instituição de utilidade pública para a literatura. É-o em particular para as temáticas literárias de matriz açoriana escritas em português e inglês, mas é mais, muito mais do que isso pois, a dimensão da sua obra não se confina à apreciação e, por conseguinte, divulgação dos autores que escrevem nos Açores, sobre os Açores, ou sobre a diáspora açoriana e, mais genericamente sobre a diáspora portuguesa. O seu trabalho e a sua obra não têm fronteiras culturais, nem está eivada de qualquer visão redutora da literatura.
Ao Vamberto Freitas só posso agradecer o que com ele aprendi e quero continuar a aprender e, dizer-lhe que será um enorme prazer estar amanhã, pelas 19h, na Livraria Leya SolMar, para partilhar este momento com ele.

2 comentários:

Lélia disse...

Parabéns Caríssimo Aníbal Pires,

Não encontraria palavras mais adequadas para definir a escrita e o papel que Vamberto Freitas representa para nossa literatura dando-nos Voz e dignidade.
Afinal, como ele mesmo proclama "a literatura é um ato identitário".
Um grande abraço para si e outro para o amigo Vamberto.
Lélia Pereira Nunes
Florianópolis, Ilha de Santa Catarina

Anibal Pires disse...

Olá Lélia,
Quero, antes de mais, agradecer o seu comentário aqui no blogue, mas também as amáveis palavras que me destinou e, depois, reforçar a ideia da importância do trabalho do Vamberto. Sem o trabalho dele muitos de nós ficaríamos sem conhecer alguns autores e temáticas das duas margens do Atlântico e, por conseguinte, mais pobres.

Vou dar conhecimento desta nota (comentário) da Lélia ao Vamberto.

Bjs e tudo de BOM